sábado, 6 de abril de 2013

Professores de Boquim debatem o PNAIC - Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa



Ontem a partir das 19h30 (05/04/13)na Escola Joaldo Barbosa aconteceu debate público sobre o PNAIC – Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa, com a professora da Universidade Federal de Sergipe, Silvana Bretas.
O debate foi promovido pelo SINTESE a pedido dos professores em assembleia e teve como objetivo tirar as dúvidas sobre o programa do governo federal.
Foram convidados professores, a sociedade em geral, a prefeitura de Boquim, Sindicato dos Servidores de Boquim, as secretárias de Educação e de Ação Social e suas equipes, Conselho Tutelar, Conselho Municipal de Educação de Boquim/CMEB, Câmara de Vereadores. Destes estiveram presentes professores, e algumas pessoas representando a sociedade civil, estudantes do EJA, professores alfabetizadores, do ensino fundamental inicial e final e também o diretor da Escola Joaldo Barbosa, atual presidente do CMEB.
            O coordenador do programa no Estado é o professor José Ricardo Carvalho, do Departamento de Educação do campus de Itabaiana e Silvana Bretas sua adjunta, que veio a Boquim a pedido do sindicato. A professora da universidade Federal de Sergipe que trabalha com alfabetização tirou as dúvidas, ouviu e refletiu junto aos presentes sobre o Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa sobre alguns comentários da professora Noêmia e outros pontos arguidos pelos professores Jackson, Siniclei,Jonas, Adilson, Pacheco Jr., o senhor Luiz da Decon e a professora Acácia da rede Estadual:
            Metodologia do programa:
Silvana diz que pela primeira vez uma ideia/metodologia, o construtivismo, virou uma política de ensino

de um programa, o que dá liberdade ao professor em trabalhar a alfabetização, fora do padrão de outros que não permitem flexibilidade.
Quem assina o compromisso do programa
Reforça ainda que o compromisso com o pacto é do município, e que o professor não pode ser obrigado ou persuadido a aceitar o programa, nem seguir os materiais ou as ações do pacto.
Não existe determinação na resolução do PNAIC ou qualquer outra orientação que faça o professor assinar qualquer documento dizendo que aceita ou não aceita dizendo o porquê ou até mesmo que o obrigue a aceitar o programa.
            Número de alunos por sala
            Antes de responder sobre o ponto citado a professora reforça que a UFS tem sentado para melhorar e discutir algumas situações que o PNAIC tem. Concorda que um número grande de alunos para alfabetizar torna difícil o trabalho docente e que o programa não observa esta questão.
Os cursos de formação
A professora Bretas deixou claro que os certificados de 200h não contemplarão qualquer graduação ou pós-graduação. No máximo pode ajudar no currículo do professor num possível mestrado, mas que os mesmos não têm valor de graduação.
O professor pode desistir?
Silvana acredita que exista um período de renovação e é neste período em que se possa trocar de professor na equipe. Antes disso o professor que assinou o compromisso deve esperar essa abertura no sistema.
Avaliação
A avaliação é diagnóstica, mas o preenchimento de fichas individuais que será feito pelo professor é visto como problema, pois não há como fazer com uma turma de 35 alunos por exemplo. A equipe da UFS está estudando uma forma de fazer em grupos para facilitar o acompanhamento.  O objetivo das avaliações externas é para diagnosticar o andamento do programa.
Valorização do professor
Bretas confirma que para os cursos de formação o professor receberá uma bolsa de apenas de 200 reais. Esse valor já é uma determinação do MEC.
Para os presentes no debate isso mostra mais uma política de desvalorização da classe que está diretamente com o aluno todos os dias já que os professores formadores, responsáveis por orientar a aplicação dos métodos de ensino, os professores orientadores, indicados por cada secretaria de educação para repassar o material didático bem como as propostas teórico-metodológicas, receberão bolsas de 750 a 2000 reais.
A coordenadora Silvana Bretas ficou a disposição para outros encontros sobre o programa a qualquer tempo em Boquim, pois está otimista sobre o mesmo, mas espera que o professor tenha clareza e espontaneidade de trabalhar na alfabetização das crianças e ninguém deve ser obrigado ou até mesmo forçado a aderir ao PNAIC.
 “O objetivo do debate foi alcançado e bem aproveitado pelos presentes. A impressão deixada foi que é sempre salutar e preciso que o professor possa discutir sobre tudo que se pensa em aplicar como programa ou políticas de ensino na rede municipal de Boquim.” – avalia o professor Jonas Vidal, delegado sindical adjunto da base municipal de Boquim.
“Nosso próximo passo agora é debater o  PROJETO DA ESCOLA DEMOCRATICA E POPULAR – A EDUCAÇÃO QUE QUEREMOS, produzido pelo sindicato.” – reflete o professor Adilson Ribeiro, delegado de base municipal de Boquim.

Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE sintese luta prefeito Brasil PISO SALARIAL Déda Jean câmara vereadores Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2014 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente prova pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto