sexta-feira, 2 de abril de 2010

MAIS QUE VIVER A VIDA...


José de Jesus Santos*


Atualmente as salas de aulas no Brasil e em Sergipe têm sofrido junto as famílias dos adolescentes que estão cada vez mais se envolvendo com a bebida alcoólica, ora com o aluno, ora com seus pais ou responsáveis. Junto ao problema do álcool a violência e o uso de drogas vêm aumentando nas escolas públicas municipais e estaduais e toda a comunidade escolar vira refém dessa realidade nada feliz. Ainda mais com escolas onde próximo a elas existem bares ou mercearias que vendem bebidas alcoólicas. Para muitos autores de filmes e livros a ficção imita a vida para especialistas ela estimula – assim vem o corpo inicial de uma matéria sobre comportamento na edição 42 da REVISTA DO BRASIL de dezembro de 2009 da editora Atitude, escrita por Cida de Oliveira.
As linhas trazem a analise do comportamento das personagens da novela das oito VIVER A VIDA que muitos de nós vimos acompanhando ou de uma forma ou de outra assiste uma cena para depois dizer: “só em novela mesmo!”.
Ultimamente as novelas globais neste horário vêm com testemunhos de pessoas no final de cada capitulo onde muitos brasileiros hipnotizados suspiram o exemplo de vida...mesmo depois de ver várias vezes com seus personagens preferidos ou os odiados a atitude de infidelidade no relacionamento, o machismo de um, a aflição de uma mãe por seus filhos gêmeos se encantarem por uma cadeirante ou por uma prostituta, a ignorância do pescador, das belas jovens com uma amizade nada interessada no experiente comerciante argentino ou a falta de educação da garotinha mimada que chantageia os adultos e ainda tenta persuadir para consegui o que quer (coisa de criança?). As Helenas do autor da novela sempre são exemplos de seres filosóficos, firmes no que querem sensíveis e falíveis (mas negra é a primeira – modelo, abortou um filho, tem uma irmã envolvida com um jovem que vive no morro). Sobre a Helena noutra página podemos falar, o nosso foco é perceber até onde a ficção influencia ou imita a realidade.
Segundo a matéria publicada os primeiros capítulos da novela nos indagam se Viver a Vida é um grande e estimulante porre! Sim porre, pois taças de champanhe, vinhos, copos de wisks, cerveja... Manoel Carlos autor da novela sempre abordou temas sociais em suas obras como: Por Amor, Laços de Família, Mulheres Apaixonadas, Páginas da Vida. E nesta o alcoolismo vem encarnado na sua personagem Renata (Barbara Paz) que prefere o líquido a comida para continuar magra – onde na verdade pesquisas mostram que o álcool engorda mais que os alimentos.
Não é difícil vermos em cada capitulo ainda cenas com grandes copos verdes nos jantares familiares ou nos restaurantes – mas todos bem sucedidos (normais), enquanto os que têm problemas são exceções (são dependentes químicos). Tais cenas criam uma falsa ideia que a maioria das pessoas bebe. Segundo Ilana Pinsky, que é coordenadora do ambulatório de adolescentes da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Unifesp, “a metade da população brasileira não toma nada. Na outra metade, porém, 50% ou seja, um quarto da população, tem algum distúrbio ligado ao álcool. Os dados são do 2º Levantamento Domiciliar sobre Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil, de 2005. O estudo revelou que 12,3% das pessoas com idade entre 12 e 65 anos são portadoras de alcoolismo e cerca de 75% já beberam alguma vez na vida. (...)
Esse excesso é ruim principalmente para adolescentes, que são induzidos a acreditar que todos bebem, que beber é normal, que a bebida não causa danos e é a responsável pela alegria em encontros de amigos. Convencer o publico de que todos ou quase todos bebem só interessa aos fabricantes do setor “(Revista do Brasil, nº 42, dez/2009 p.35)
Ainda na mesma pagina citada a Coordenadora do Departamento de Dependência Química da Associação Brasileira de Psiquiatria, Ana Cecília Marques, explica que “o alcoolismo é uma doença crônica, incurável, determinada por fatores biológicos e psicossociais. Entre os aspectos psicossociais que desencadeiam o beber está a propaganda, que por meio de técnicas diversas, como colocar o produto para ser bem vendido em uma novela, influencia principalmente os adolescentes”.
Não só novelas, filmes estão na roldana da indústria cultural e para o consumo das drogas lícitas ou ilegais, as musicas que muitas das vezes são cantadas com seus refrãos apologéticos a sensualidade e a violência também tem contribuído para um novo padrão de convívio na nossa sociedade. Padrão que desafia a moral e a ética vivida por todos que tem mais de 30 anos em nome dos direitos humanos universais: liberdade e igualdade. Está na hora de pensarmos bem no que ouvimos e assistimos no que dançamos e aceitamos como novos padrões de valores com nossos alunos, filhos, jovens amigos e adolescentes para não chegarmos a uma anarquia de convivência social sem causas e rumos e continuar acompanhando e apoiando ações como o Programa de Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd),  já desenvolvido em todo o Estado de Sergipe pela PM.


* Professor de História da rede pública municipal de ensino de Boquim/SE - atua como membro do Conselho Municipal de Educação de Boquim -  CMEB e delegado de Base Municipal Sindical pelo SINTESE.

Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE prefeito sintese luta Brasil PISO SALARIAL vereadores Déda Jean câmara Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 2014 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura prova 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Iluminação Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México Natal OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha Taxa UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho kw/h lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional notas novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tabela tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto