quinta-feira, 19 de maio de 2011

MAIO VERMELHO: PELO DIREITO DO TRABALHADOR

SINTESE protocola ação no TJ contra governador Marcelo Déda

AUTOR // sintese
capa_atotj18
capa_atotj18
Na manhã desta quinta-feira, a presidenta do SINTESE, Ângela Maria de Melo protocolou no Tribunal de Justiça uma ação de protesto contra o governador Marcelo Déda.
Na ação, o sindicato apresenta sua indignação com o governo em não cumprir a lei do piso com a revisão imediata nos moldes apresentados na lei 11.738/2008, condicionar a revisão a extinção do Nível I (médio) no plano de carreira e também por vários problemas ocorridos na rede estadual como: escolas em estado deplorável e sem perspectiva de reforma; falta de professores em várias disciplinas, devido a falta de planejamento e incapacidade do poder público em ter um quadro atual dos docentes; adoção de pacotes educacionais (Alfa e Beto, Se Liga e Acelera), entre outros.

Veja vídeo
Essas e outras questões vêm fazendo com que a educação pública estadual se posicione entre as que apresentam os piores índices em todo o Brasil e provocando a redução brutal do número de alunos matriculados, principalmente no ensino médio – pois deixa os mais pobres sem alternativas para a instrução gratuita – em dissonância com o que se observa nos demais estados brasileiros.
Solidariedade
Logo após protocolar a ação os professores participaram do ato público promovido no calçadão da Rua João Pessoa pelos servidores público do Detran e por trabalhadores da área de telecomunicações que estão em greve por melhores condições de trabalho e salário.
Apoio
O SINTESE recebeu email da professora da professora Sônia Meire Azevedo de Jesus que coordena o grupo de pesquisa Educação e Movimentos Sociais da Universidade Federal de Sergipe se solidarizando com a greve do magistério público estadual e repudiando a atuação do governo do Estado pelo “descaso com a educação sergipana, tendo em vista as péssimas condições de trabalho que são submetidos os discentes e docentes nas escolas públicas”.
Assembleia
Nesta segunda-feira, 23, às 15h no Instituto Histórico e Geográfico os professores se reúnem em assembleia para definir encaminhamentos de luta.

atotj04


Sindicatos fazem manifestação no Centro

AUTOR//FONTE:INFONET
O Sindetran e o Sintel se reuniram no calçadão para reivindicar
19/05/2011 - 10:05

Ato conjunto no Calçadão da rua João Pessoa (Fotos: Portal Infonet)
O Sindicato dos Servidores do Detran (Sindetran) e o Sindicato das Telecomunicações em Sergipe (Sintel) se reuniram na manhã desta quinta-feira, 19, no Calçadão João Pessoa. De acordo com o presidente da Central Única dos trabalhadores (CUT), Rubens Marques, o professor Dudu, a CUT resolveu realizar essa manifestação em conjunto com outros sindicatos para manifestar a força que as categorias representam nesta luta por melhores condições de trabalho.
A manifestação contou também com a presença do Sintel,os trabalhadores da empresa RM que prestam serviços a operadora Oi, estão paralisados há dezessete dias. De acordo com a presidente do Sintel, Iaraci Maria Silva, a categoria busca o cumprimento das negociações realizadas entre a empresa e a categoria. “Foram catorze negociações e a empresa não quer cumprir o que foi reivindicado, que é o reajuste salarial destes trabalhadores”, falou.
Trabalhadores de terceirizada da Oi se uniram aos servidores do Detran
Clebson Pinto, presidente do Sindetran

O sindicato informou que apesar de ser considerada ilegal, os servidores ainda permanecem em greve, e que já foi protocolado um recurso contra a decisão do desembargador Luiz Cláudio Déda.  O presidente do Sindetran, Clebson Pinto, informou que o sindicato ainda não foi informado oficialmente sobre as reivindicações da categoria que são a questão salarial, equipamentos para a realização efetiva do trabalho, a reforma das unidades e o fim dos trabalhos aos sábados. “Ainda não fomos oficializados pelo diretor do Detran, da mesma forma que as nossas reivindicações foram documentadas, esperamos o mesmo da diretoria do Detran”, falou.
Após a manifestação no Centro da cidade, os sindicatos fizeram uma caminhada até o Tribunal de Justiça para se solidarizar com o Sintese, que está mobilizado em frente ao TJ para protocolar uma ação judicial de protesto contra o Governo do Estado por descumprir o acordo do Supremo Tribunal Federal que garante o piso nacional do professor.



Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE prefeito sintese luta Brasil PISO SALARIAL vereadores Déda Jean câmara Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 2014 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura prova 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Iluminação Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México Natal OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha Taxa UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho kw/h lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional notas novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tabela tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto