segunda-feira, 6 de junho de 2011

Acampados na Assembleia Legislativa

Professores continuam acampados na Assembleia Legislativa
Cerca de 40 profissionais do magistério prometem passar a noite em vigília até que haja uma mediação dos deputados quanto ao projeto da revisão do Piso Salarial
06/06/2011 - 19:08

Categoria está acampada nas galerias (Foto: Ascom Sintese)
Os professores da rede estadual de ensino continuamacampados dentro da Assembleia Legislativa de Sergipe. A categoria decidiu pela ocupação na tarde desta segunda-feira, 6, após uma rápida assembleia realizada entre às 14h30 e às 15h e tão logo o projeto enviado pelo governador Marcelo Déda, tratando da revisão do Piso Salarial dos Professores, foi lido em plenário, eles iniciaram a ocupação.
De acordo com a presidente do Sindicato da categoria (Sintese), Ângela Melo, eles somente deixarão as galerias da Assembleia Legislativa quando os deputados puderem mediar a situação, pois o texto do projeto reafirma a posição do Governo em dividir a categoria, ou seja, apresenta índice de reajuste diferenciado entre os professores de nível médio e nível superior.
"Nós estamos em vigília, com a assembleia ocupada, pois o Governo do Estado está tratando os professores de forma cruel”, lamenta a professora Ângela Melo, acrescentando que uma média de 40 pessoas vão passar a noite naquela Casa.
Ângela Melo: "Vamos permanecer acampados" (Foto: Portal Infonet)
A presidente do Sintese disse ainda que o Governo está chantageando. “Isso é chantagem do Governo porque o ano de 2010, foi um ano difícil,  por conta da crise econômica mundial, mas o Governo teve recursos para aplicar o piso e reajustar. Agora alega que a despesa é bem maior do que a receita. Ele posta uma tabela salarial e esquece que o nível cinco é o professor com doutorado, que ganha menos de R$ 5 mil”, enfatiza.

Líder
Indagado pela imprensa sobre a ocupação, o líder do Governo na Assembleia, Francisco Gualberto afirmou: “O Sintese é uma entidade autônoma e só nos resta respeitar a decisão do sindicato. Nós entendemos que isso faz parte do jogo democrático”.
O deputado Augusto Bezerra (DEM) disse que o projeto será apreciado nas comissões nesta terça-feira, 7. “Mas eu vou votar contra, pois como presidente da Comissão de Constituição e Justiça entendo que é inconstitucional quando divide a categoria”.

Por Aldaci de Souza

Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE prefeito sintese luta Brasil PISO SALARIAL vereadores Déda Jean câmara Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 2014 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura prova 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Iluminação Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México Natal OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha Taxa UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho kw/h lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional notas novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tabela tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto