sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

CARREIRA DO MAGISTÉRIO SERGIPANO AMEAÇADA PELOS DEPUTADOS E GOVERNADOR


Governo aprova projeto que põe em risco reajuste do piso

AUTOR // sintese
Professores protestam
Professores protestam
Por 13 votos a 07 o Governo do Estado de Sergipe conseguiu aprovar na Assembleia Legislativa Projeto de Lei Complementar que extingue o Nível Médio do quadro permanente do magistério estadual. Com isso os professores que têm nível superior (graduação, pós-graduação, mestrado, doutorado) ficam sem referência para o reajuste do piso e correm o risco de terem somente a reposição das perdas inflacionárias.

A ação dos deputados indignou as centenas de professores que acompanharam nas galerias da Assembleia Legislativa e na Praça Fausto Cardoso em frente ao prédio. Durante os dois dias de vigília (um grupo de professores dormiu no prédio) os educadores apelaram aos deputados que vetassem o projeto ou o retirassem de pauta, para que houvesse uma rodada de negociação. Vale lembrar que em nenhum momento o sindicato foi chamado para debater este projeto.
“Esse é um dia de muita indignação e revolta para o magistério da rede estadual, pois os parlamentares votaram a favor do desmonte da carreira do professor. O piso é uma conquista que veio depois de muita luta, com greves, com muita negociação e os deputados jogaram essa luta por terra. Os professores saem desta casa legislativa revoltados”, disse a presidenta do SINTESE, Ângela Melo.
Em entrevista que concedeu aos diversos veículos de comunicação que acompanharam a votação a presidenta do SINTESE foi enfática, os professores não aceitarão reajuste diferenciado, o sindicato lutará para que a categoria tenha reajuste único e que a isonomia salarial não seja perdida.
Os professores, inclusive, chegaram a ser expulsos das galerias após o final da votação. A presidência da mesa suspendeu a sessão e ela só foi iniciada após a saída dos educadores.
Para o sindicato, o governo subestimou a capacidade de mobilização e organização dos professores ao colocar projeto tão polêmico para votação no “apagar das luzes” do semestre legislativo em 2011. “Os professores mostraram a sua capacidade de organização e luta nesses dois dias”, apontou a vice-presidenta do SINTESE, Lúcia Barroso.
Como foi o voto dos deputados
Votaram contra o projeto e favor dos professores, os deputados: Ana Lúcia, Capitão Samuel, Maria Mendonça e Zé Franco e a bancada de oposição ao governo Déda (Venâncio Fonseca, Arnaldo Bispo, e Goreti Reis).
Votaram a favor do projeto e contra os professores, os deputados: Francisco Gualberto, Gustinho Ribeiro, Luiz Mitidieri, Adelson Barreto, Suzana Azevedo, Gilson Andrade, Raimundo Vieira, Conceição Vieira, Paulinho das Varzinhas, Zeca da Silva (que voltou a ALESE somente para participar da votação), Jeferson Andrade, Pastor Antônio dos Santos e João Daniel. Estes dois últimos foram alvo de diversos apelos de professores ligados ao movimentos sociais e às igrejas. Ao final da votação, vários deles se sentiram traídos pela postura dos dois deputados.
Há dinheiro para pagar o reajuste
A partir de uma análise do orçamento 2012 feita pelo SINTESE, a deputada Ana Lúcia mostrou em seu discurso na tribuna que há condição sim de pagar o reajuste do piso, ao contrário do afirmado pelo deputado Francisco Gualberto, líder do governo, em entrevistas no início da manhã.
O orçamento 2012 estabelece 18.6% de aumento nos recursos para o pagamento do piso dos professores.
O que muda com a aprovação do projeto
1- O percentual de revisão do piso salarial, definido pelo Ministério da Educação – MEC, não será mais garantido para todos os professores;
2- Só terão revisão do piso os professores com formação de nível médio, na modalidade normal, e assim mesmo, apenas nos próximos seis (06) anos, quando acaba, definitivamente, o nível médio na carreira do magistério;
3- Os professores de nível superior, pós-graduados, com mestrado e doutorado, não terão mais direito à revisão do Piso, definida, a cada exercício, pelo Ministério da Educação;
4- Essa regra vale para revisão do piso salarial já a partir do ano de 2012;
5- A paridade de percentual para revisão salarial de todos os professores somente acontecerá a partir de negociação do sindicato com governo.

Para definir encaminhamentos de luta e jurídicos, o SINTESE convoca Assembleia Geral dos Professores da Rede Estadual na próxima terça-feira, dia 20, no Instituto Histórico e Geográfico a partir das 15h.

Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE prefeito sintese luta Brasil PISO SALARIAL vereadores Déda Jean câmara Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 2014 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura prova 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Iluminação Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México Natal OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha Taxa UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho kw/h lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional notas novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tabela tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto