quarta-feira, 12 de setembro de 2012

REDE ESTADUAL VAI PARAR NO DIA 18 DE SETEMBRO

Na luta pelo reajuste do piso: professores paralisam dia 18


Autor e fonte// sintese

virada_pelo_piso
virada_pelo_piso
No dia 18 de setembro os professores da rede estadual vão paralisar as aulas e estarão nas ruas na luta pelo reajuste de 22,22% para todos os níveis da carreira. O dia de luta começa com assembleia da categoria às 9h no Instituto Histórico e Geográfico. Logo depois os educadores vão ocupar as galerias da Assembleia Legislativa e também a Praça Fausto Cardoso.
“Nossa luta pela unicidade da carreira e pelo reajuste de 22,22% para todos como diz a lei ainda continua. Não queremos a aprovação do projeto que está na Assembleia Legislativa, pois ele acaba de uma vez com a carreira do professor que foi conquistada numa luta de várias décadas”, aponta Ângela Maria de Melo, presidenta do SINTESE.
Durante a assembleia realizada na manhã desta quinta, 06, no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, Ângela ressaltou a importância da participação dos educadores no Grito dos Excluídos que acontecerá ao final do desfile cívico de 7 de setembro. A concentração será a partir das 9h na Praça Olímpio Campos (praça da Catedral Metropolitana).
Além de Aracaju, acontecerão atos públicos após o desfile cívico em Estância, Maruim, Carira e Neópolis.
Virada pela Manutenção da Carreira
assembleia_6_9_12
assembleia_6_9_12
No dia 18 os professores pretendem realizar o “Virada pela Manutenção da Carreira” que nos moldes do evento Virada Cultural vai trazer para a Praça Fausto Cardoso (em frente a Assembleia Legislativa), debates, exibição de filmes e shows culturais que só terminarão 24 horas depois (já no dia 19). “Nosso objetivo é unificar ainda mais a categoria e trazer para a sociedade nossa luta pelo reajuste igualitário e também por uma educação pública de qualidade social para os filhos e filhas dos trabalhadores”, disse Ubaldina Fonseca Santana Moreira, diretora do Departamento de Base Estadual.
Brasília
Foram passadas informações sobre a Marcha Nacional pela Educação Pública (que aconteceu no dia 05 em Brasília) e a participação de Sergipe que contou com dois ônibus no evento. A maior parte dos participantes foi de professoras aposentadas. “Elas mostraram que o fato de não estarem mais em sala de aula não significa que estão fora da luta por uma educação pública de qualidade”, disse.
Durante a ida a Brasília (para participar da marcha e da reunião do Conselho Nacional de Entidades da CNTE), Ângela contou também que junto com o presidente da CUT/SE – Rubens Marques visitou os líderes dos partidos na Câmara dos Deputados e fez a entrega da pauta da CUT Nacional e também conversaram sobre o projeto de lei que tramita na Câmara para mudar a forma de reajuste do piso.
Mais uma ADIN contra o piso
Ao mesmo tempo em que as entidades defensoras da Educação Pública conseguiram a derrubada do recurso postergatório que emperrava a votação do Plano Nacional de Educação (agora ele vai direto para o Senado) e se realizava a Marcha Nacional pela Educação Pública, os professores foram surpreendidos com a notícia publicada no Diário Oficial de que os governadores do Rio Grande do Sul, Roraima, Mato Grosso do Sul, Piauí e Santa Catarina deram em uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) nº 4.848 contra o art. 5º da Lei 11.738, que trata do reajuste anual do piso nacional do magistério.
Em nota publicada Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE “lamenta, profundamente, a atitude leviana dos governadores que abdicam do debate democrático em torno da valorização dos profissionais da educação, para continuar a tumultuar o processo de implementação integral do piso no país, além de tentar rebaixar os objetivos da Lei Federal”.
Para CNTE nova ação dos governadores, além de afrontar a luta dos trabalhadores e da sociedade por uma educação pública de qualidade e com profissionais valorizados, despreza a importância do debate cooperativo entre os entes federados para cumprir as exigências do piso, e por isso a mesma merece o nosso repúdio.
Ação contra a lei 213/2011
A viagem a Brasília também teve como objetivo acertar os últimos detalhes para que o SINTESE (através da CNTE) também impetre até a próxima semana com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra o governo do Estado de Sergipe com relação a lei 213/2011 no Supremo Tribunal Federal.

Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE prefeito sintese luta Brasil PISO SALARIAL vereadores Déda Jean câmara Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 2014 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura prova 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Iluminação Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México Natal OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha Taxa UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho kw/h lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional notas novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tabela tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto