segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Professores discutem divulgação do projeto A Educação que Queremos

fonte e texto : SINTESE
por Caroline Santos
Neste último final de semana (11, 12 e 13) membros da direção, coordenadores das sub-sedes, representantes sindicais e professores da base participaram de encontro para discutir ações para que o projeto A Educação que Queremos, que foi aprovado no XIV Congresso, seja um instrumento utilizado na proposição e construção de projetos educacionais nas redes municipais e também na rede estadual.
Para isso se faz necessário a criação projetos de leis que regulamentem os sistemas de ensino e também a gestão democrática tanto nas redes municipais quanto estadual, para isso foram feitos estudos de projetos de lei já construídos e utilizando os princípios elencados no projeto “A Educação que Queremos”.
Para iniciar o processo o professor doutor André Martins, da Universidade Federal de Juiz de Fora, que foi o coordenador do grupo de trabalho, fez um resgate histórico do processo de criação das estruturas e dos sistemas educacionais. “O SINTESE sai na frente por já ter suas concepções de educação sistematizada, mas o verdadeiro desafio é transformar o projeto de escola democrática e popular como referência para a instituição dos sistemas municipais e estadual de educação”, aponta Martins.
Cartilha
O segundo momento do encontro foi a construção e uma cartilha que traga de forma mais objetiva quais as concepções do projeto “A Educação que Queremos”.
Para isso além dos educadores que participaram do grupo de trabalho, os membros da direção do SINTESE e dos coordenadores de sub-sede outro grupo de professores foi convidado para a elaboração do documento.
“Nosso objetivo é fazer com o que o maior número de professores tenha conhecimento do projeto e para isso estamos montando estratégias para facilitar a compreensão do que foi aprovado no XIV Congresso”, aponta Ivonete Cruz, diretora do Departamento de Formação do SINTESE.
Ações para divulgação
Foram também definidas estratégias e ações para ampliar o conhecimento dos professores, alunos e da sociedade com relação ao projeto. Além do lançamento que ocorrerá no dia 30 de janeiro às 19h na Sociedade Semear, o SINTESE pretende realizar reuniões com a imprensa, associações de bairro, conselhos municipais de Educação, faculdades, universidades entre outros.

Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE prefeito sintese luta Brasil PISO SALARIAL vereadores Déda Jean câmara Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 2014 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura prova 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Iluminação Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México Natal OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha Taxa UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho kw/h lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional notas novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tabela tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto