quinta-feira, 20 de junho de 2013

Movimento Acorda Aracaju

Movimento Acorda Aracaju se divide em dois grupos
Participantes não concordaram com discursos em carro de som - fonte: infonet
Praça Fausto Cardoso ficou tomada (Fotos:Portal Infonet)
A Praça Fausto Cardoso lotou durante concentração do Movimento Acorda Aracaju. Mas, a presença de integrantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), com uma integrante discursando como se estivesse em um comício, deixou os participantes irritados, gritando: “sem política, sem política”. O presidente da CUT, Rubens Marques, ainda tentou reverter a situação, mas a moça não parava de falar e não teve jeito: o movimento se dividiu.
Uma parte seguiu pela Avenida Beira Mar no percurso do Pré-Caju e outro grupo seguiu pela Av. Barão de Maruim, passando pela Av. Hermes Fontes, com destino ao Distrito Industrial de Aracaju (DIA).
“Eu estou querendo mostrar que estamos do lado dos trabalhadores, da população, que não estamos aqui com partidos políticos, mas eles não estão entendendo”, ressalta Rubens Marques.
Jornalistas participaram do movimento
Jornalistas, médicos, professores, contadores, advogados, trabalhadores e estudantes de um modo geral com faixas e cartazes, deixaram a praça, numa manifestação pra lá de pacífica. “Não deu tempo fazer os cartazes em casa e trouxemos o material para confeccionar aqui na praça. Viemos batalhar por um Brasil melhor, sem violência, com mais paz e educação”, ressalta o estudante de gastronomia, Rodrigo Froes.
A contadora Ana Cristina Sobral Maynard não pensou duas vezes quando a filha argumentou que seria um momento histórico. “Minha filha me convenceu que precisava participar para no futuro contar aos meus netos que viveu esse momento reivindicando melhorias. Só que tive que trazer os sobrinhos e os amigos da filha, que estão sob a minha responsabilidade”, destaca Ana Cristina.
Sindimed, também esteve presente
Ana Cristina [blusa verde] acompanhou filhos e sobrinhos
Cartazes mostravam as reivindicações
Gilvan fez os cartazes na praça
Vereador Max Prejuizo

O vereador Max Prejuizo esteve no ato como cidadão. “Eu sempre fiz isso a minha vida inteira. Desde cedo comecei no movimento estudantil e não era hoje, porque sou parlamentar que ia deixar de participar revindicando saúde, moradia, educação e principalmente segurança. É um mesmo um momento histórico”, enfatiza.
Por Aldaci de Souza

Nenhum comentário:

Sobre o que já postamos

BOQUIM SERGIPE piso professores GREVE prefeito sintese luta Brasil PISO SALARIAL vereadores Déda Jean câmara Aracaju Lagarto Pedrinhas STF 2012 2014 Alencar Amigos BLOCO CARREIRA DEPUTADOS LAGOA VERMELHA MP PNE PRE-CAJU Tribunal de Contas chile ditadura enterro escolas governo magistério mec micareta prefeitura prova 12 de junho 141anos 150 dias 1567 2010 2016 ADI AZAR Abelardo Romero Dantas Alô Associação BANDA LARGA BODE Bahia CAE CANDIDATO CLT CNBB Carmem Miranda Ciarlos Conae Copa do mundo Creches DIA DO BEIJO ESTADUAL EUA Edivaldo Educação Estado Estância FESTA FIFA HINO IBGE INTERNET Iluminação Interior José José Comblin LAN HOUSE Lula MARCELO DEDA MDE MICARETA 2012 México Natal OAB Obama PAREDÕES PRAÇA RCB RESISTÊNCIA SE SEXTA FEIRA 13 TV Tabaroinha Taxa UFS Zé Carioca acidente adefib ai se eu soubesse aliança angra 1 angra 2 aniversário anos arcaju argentina.brasil assembleia. assim você me mata atomicas atrasado aulas bardosa batismos campanha censura cidadania cidade concursado contratados copertalse cravo dança das cadeiras dem denúncia dia dos namorados direitos edil energia escravos esquerda estudantes expressão fhs floro frei betto fundação hospitalar de saúde globo golpe militar hegemonia humanos iran japão jovem jovens joão junho kw/h lei liberdade libertação livro líder manifestações merenda merendeira micareta 2011 morte médicos mídia nacional notas novela nucleares oposição pacientes padre pascoa pedro barbosa polícia militar política prefeitos presidente pt páscoa quaresma reforma republica riachão rojões santana sbt secretaria segurança pública sindipema smecelt tabela tarifas teologia da libertação trânsito universitários usinas verdade vereador vice violencia voto